quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

COM A MORTE NAS MINHAS MÃOS


Estava um dia lindo nos Ginetes, em S.Miguel e eu estava a brincar na rua, quando tinha os meus 10 anos.

No meio do profundo silêncio daquela terra, ouço o galopar desenfreado de um cavalo e de imediato, um velho chibatando o cavalo violentamente, e num repente, puxando pelas rédeas, fez parar a carroça mesmo em frente à nossa casa, tendo saltado dela e agarrado uma criança de dois anos, que estava desmaiada e deitada atrás, na caixa da carroça.

Meu avô estava em casa, por acaso, e abriu-lhe de imediato a porta do consultório, dizendo ao velhote para pousar a miúda na marquesa e berrou por mim, bem alto. "MÁÁÁÁRIO..." !

Aquilo devia ser uma situação muito grave, pois meu avô nunca costumava gritar assim, mas num segundo, eu estava ao seu lado a ouvir as suas explicações:

"Comprime aqui nos intestinos com a mão direita e com a esquerda, comprime o peito, alternadamente " .

Ele estava a valer-se da minha ajuda, porque o pobre velho, não conseguia ter coragem para o fazer.

Aquilo estava mesmo feio, pois a criança mal conseguia respirar e só se ouvia um ligeiro apitar do ar que teimava em não querer entrar nem sair dos seus minúsculos pulmões...

Meu avô pegou uma lanterna eléctrica, abriu a boca da garota e espreitou o melhor que podia, mas o que estava a bloquear a respiração, devia estar mais abaixo, talvez à entrada dos brônquios e, por mais que tentasse, nada conseguia ver...

Ao nosso lado, o velho avô, todo amargurado, chorava banho e ranho, pedindo, continuamente, "Sr.Doutor, salve a minha neta "....

A miúda tinha-lhe sido entregue pela mãe, enquanto ele tinha de tratar da horta onde vários cachos de uvas ainda verdes, pendiam ali por perto e a garota havia metido uma uva na boca e engolido inteira...

O velho, ao ver a miúda asfixiada, largou tudo, atirou com ela para cima da carroça, depois de lhe ter dado uma palmadas nas costas, e vai de procurar ajuda médica, mas eles estavam a uns 5 quilómetros de distância e, mesmo com o cavalo no seu máximo, talvez já não fosse a tempo. Na realidade, já se haviam passado alguns minutos e a pele da criança, já se estava a tornar azulada, situação indicadora de muita falta de oxigenação.

E eu lá estava a fazer o meu melhor, ora comprimindo as costelas ora os intestinos, sempre esperando que algum vagido me indicasse que o ar já estaria a entrar e sair, enquanto meu avô insistia para que eu não parasse e continuava a tentar ver cada vez mais fundo, usando várias "ferramentas" que tinha no consultório.

E eu tinha a morte dela, nas minhas mãos, eu não podia dizer que já estava extenuado...

Infelizmente, uns minutos depois, meu avô auscultou a miúda e depois com o dedo polegar e indicador, de uma mão, abriu-lhe os olhos e verificou que as pupilas estavam todas dilatadas !

Meu avô endireitou-se e largando as "ferramentas", disse-me: " Podes parar, porque ela já está morta "...

Não havia mais nada que fazer ! A miúda estava morta e nas minhas mãos...

Senti um arrepio imenso e tive de afastar-me de imediato, para não vomitar, pois nunca gostei de estar ao pé de mortos...

O pobre velho, avô da garota, lá pegou no seu cadáver e muito lentamente, saiu do consultório, enquanto os seus velhos olhos agora jorravam abundantes e amargas lágrimas de desespero e foi deitá-la na carroça que estava ali à espera, com o cavalo todo encharcado de espuma do seu suor...e sem estar amarrado a lado algum, talvez a pressentir o que estava a acontecer com o seu dono, ali estava à sua espera.

" E o que é que eu vou dizer aos pais dela ?, eles que tinham tanta confiança em mim !"...lamentava-se o velho ...enquanto as lágrimas lhe pingavam do queixo... e eu, ao vê-lo naquele sofrimento, também deixei cair algumas lágrimas. E ao tentar olhar bem lá para cima, para a cara de meu avô, ele a desviou, talvez para eu não ver a sua vista desfocada por alguma lágrima furtiva.

E lá subiu para a carroça, dando ordem de marcha, enquanto tanto meu avô como eu, estávamos ali feitos parvos, por não termos conseguido salvar aquele pobre criança das garras da morte, enquanto víamos a carroça afastar-se, lá para os lados da freguesia da Candelária, no extremo Oeste da ilha de S. Miguel.

A vida de qualquer médico de aldeia, tem muitas destas situações. Ele faz o seu melhor e o mais rapidamente possível, mas há situações em que cada segundo conta e este, foi mais um dos muitos casos que lhe passaram pela mãos e, a alguns, eu assisti bem por perto, todo amargurado !.

E recordo como estes episódios, poderão ser tratados hoje. Provavelmente e com muita sorte, o avô desta malfadada criança, pegaria o telemóvel, chamaria os bombeiros que, por sua vez iriam chamar o INEM que, por sua vez iria mandar um helicóptero para o sítio e levar a criança para um hospital, mas certamente que depois de um intervalo de tempo muito superior a duas horas...era impossível que ainda se mantivesse viva !

E isto, se o velho tivesse telemovel e se os bombeiros existissem por perto, o que não era o caso, e houvesse o INEM e houvesse helicóptero que necessita de mais de meia hora para aquecer os motores, e...etc. etc...

Aqui, possivelmente o leitor estará a pensar no porquê do velho não ter levado a criança para o hospital...mas será bom de lembrar, que o hospital existe em Ponta Delgada, a 25 Km de distância... da Candelária...

Escrito por Engenhocando em 2007/03/21 às 14:06:58

2 comentários:

Anónimo disse...

Parece que estou a ler um livro, mas este com histórias de ensinamento. Obrigada pelos lindos artgºs que nos conta, para mim sou de muito valor. Um respeitoso abraço. Isabel

Escrito por: tibeu em 2008/02/05 - 00:18:56

somebody disse...

酒店經紀人,

菲梵酒店經紀,

酒店經紀,

禮服酒店上班,

酒店小姐,

便服酒店經紀,

酒店打工,

酒店寒假打工,

專業酒店經紀,

合法酒店經紀,

酒店暑假打工,

酒店兼職,

便服酒店工作,

酒店打工經紀,

制服酒店經紀,

專業酒店經紀,

合法酒店經紀,

酒店暑假打工,

酒店兼職,

便服酒店工作,

酒店打工,

制服酒店經紀,