quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

E O CANTOR BLOQUEOU...




MAIS UMA HISTÓRIA DE OUTROS TEMPOS

Na famosa e lindíssima ilha da Madeira, ali plantada no meio do Oceano Atlântico, antes de 1900, tudo servia para embelezar as vidas das pessoas e uma das coisas mais interessantes que existia, segundo me contou minha avó que era genuinamente madeirense, de seu nome Leonor Ester Ferraz, eram os espectáculos de música e cantores mais ou menos célebres.

Minha avó era virtuosa a tocar piano, e até tinha imensas alunas a ensinar, tanto madeirenses como estrangeiras, mas como era muito nervosa, foi muito difícil conseguí-la convencer a acompanhar um artista cantor de nomeada que lá apareceu, mas que necessitava de alguém que o acompanhasse ao piano. Por outro lado, o cantor exigia um pianista de craveira internacional, o que não existia na ilha.

E logo se lembraram da minha avó, que de imediato rejeitou aquele seu aparecimento em público, coisa que nunca antes tinha feito, mas perante tanta insistência da Comissão Organizadora, lá esteve a treinar as músicas que teria de tocar em palco.

Depois de muitas horas ao piano, para ter a certeza de que não se iria enganar e dar um grande fiasco...lá chegou o dia aprazado e perante uma interessante propaganda, a sala se encheu de centenas de pessoas, interessadas em ouvir o muito apregoado cantor.

Nesta foto, a minha avó já era mais velha uns anos, embora desde muito nova, já tivesse uns cabelos brancos luminosos e prateados. Era uma pessoa muito interessante.

Nos bastidores, a minha nervozíssima avó e o cantor, davam voltas e voltas ao palco e mais aterrorizados ficaram ao espreitar a sala através das cortinas, que se encontrava repleta de gente muito bem vestida e faladora.

Os camarotes estavam repletos e o ambiente estava fervente de curiosidade, porque era um cantor estrangeiro e que era a primeira vez que seria ouvido naquela benfadada ilha. A curiosidade era imensa !

Assim, chegado o momento solene da abertura do palco, a minha avó, nervozíssima, entrou nele e recebeu uma estrondosa ovação do público que já sabia dos seus dotes e, toda a tremer, depois de uma vénia, assentou-se ao piano e logo de seguida, perante a entrada do cantor, toda a assistência rebentou com outra estrondosa salva de palmas !


O cantor só entraria em acção, depois duma breve entrada do piano, e assim , minha avó, depois de ter colocado cuidadosamente a música na sua frente, e perante o profundo silêncio na sala, lá arrancou com a sua entrada, mas ao parar, para dar entrada ao cantor, este "bloqueou" e não conseguia começar a cantar...

"E agora ?", começou a pensar minha avó aflitíssima....

Toda a assistência estava interrogativa e a ver que algo teria acontecido, mas minha avó, depois daqueles amargurantes segundos de espera, voltou a começar os acordes necessários mas o raio do cantor continuava bloqueado !

Como não havia mais nada que fazer...e já com os nervos em franja, minha avó arrancou novamente com os acordes com mais força e, felizmente que aquilo "acordou" o cantor que acabou por arrancar a cantar e foi muito apreciado.

Durante o espectáculo e nos intervalos da cantoria, minha avó deliciou a assistência com algumas das suas interpretações de Beethoven, Schumann, Liszt, Chopin, etc.

Esta sua estreia em público, veio a proporcionar-lhe muitas outras actuações, até porque tendo muitas alunas, muitos outros espectáculos vieram a ser feitos com elas.


Escrito por Engenhocando em 2007/04/20 às 11:38:15